Domingo, 31 de Janeiro de 2010

II Maratona BTT Vencer o Cancro (parte II)

 

Dia 31 de Janeiro, foi a data da nossa quinta maratona de Inverno, realizada, para não variar, na margem Sul, mais concretamente em Salvaterra de Magos. Para além da participação dos costumeiros JC, PM e RV, assistiu-se desta vez a um momento histórico, dado termos conseguido arrastar para este evento o FG e o MR. Era esperada também a participação do PF, mas, após a Lagoa do Calvo, encontra-se desaparecido em parte incerta (dão-se alvíssaras a quem souber do seu paradeiro).

Esta maratona, apadrinhada pelo Marco Chagas, tinha a particularidade de parte do valor das inscrições reverter para a Associação Humanitária dos Doentes com Cancro.

As inscrições custavam 22 euros com almoço incluído e, pelas minhas contas, já iam em cerca de 900 inscritos, distribuídos pelos 40 e pelos 60 quilómetros.

O secretariado, que funcionava junto do cais de Salvaterra, estava bastante apinhado. Mas como o RV tinha chegado cedo e já estava na fila das equipas, foi só chegar, levantar os frontais e arrancar para o pavilhão municipal, onde seriam os banhos e onde deixámos os carros.

 

FG e RV aquecem os motores

 

Um tandem. Deve ter sido lindo nas zonas de areia.

 

RV, JC, MR e FG

 

A partida foi dada à hora certa, num descampado perto do cais e era precedida de um controlo zero, com leitura dos códigos de barras dos frontais. Teve uma característica por nós muito apreciada, dado diminuir a confusão inicial, que foi a separação temporal das partidas da maratona e da meia maratona. Os participantes nos 60 km (o nosso caso) partiram às 9h30 e os dos 40 km, meia hora depois. Um exemplo que deveria ser seguido noutros eventos com elevado número de participantes.

O percurso pode-se resumir em três palavras: plano, estradão e areia. Era extremamente plano e desinteressante e não me lembro de nenhuma subida digna desse nome. Nos estradões, alternavam zonas frequentes de muita areia, com outras completamente esburacadas. Tudo isto feito a médias bastante altas, que obrigavam a uma condução atenta e fisicamente exigente.

Um aspecto positivo foi a existência de poucas zonas com lama. Exceptuam-se os quilómetros finais, onde levámos com o tradicional banho de lama, tendo sido mesmo necessário apear algumas vezes para contornar umas enormes poças.

As marcações estiveram bem, à base de fitas e setas. O mesmo aconteceu com os controlos de passagem. Os abastecimentos eram constituídos por água, barras e fruta, mas não parei. Algumas travessias de estradas e da linha do comboio deveriam ter elementos da organização.

Quanto à nossa prestação, o FG e o MR iam numa de calma, contemplação e de tirar fotografias, pelo que só os reencontrámos quando já tínhamos almoçado. O RV, mais habituado ultimamente ao ginásio e vindo de fazer na véspera uma “maratona de RPM”, perdeu o contacto connosco logo no início e só o voltámos a ver no balneário.

Eu e o JC seguimos quase sempre juntos e a bom ritmo. Fizemos uma corrida de trás para a frente, sempre a ultrapassar pessoal. Apesar do Jorge não estar nos seus melhores dias, conseguiu recuperar sempre, tendo mesmo no final dado um valente esticão e terminado ao sprint. Na parte final ainda rebocámos durante um bocado, em estrada, um numeroso pelotão, mas ao entrarmos na zona de lama deixámo-los para trás. Pessoalmente, foi das provas que melhor me correram, tendo-a feito toda num ritmo rápido e constante, sem nenhuma quebra.

 

Bebida de Recuperação

 

JC após cortar a meta, bem animado (terá sido da bebida de recuperação?) 

 

Despojos de Guerra

 

Terminaram 503 atletas os 40 km. O primeiro classificado foi o Vitor Gamito (1:29:40), tendo o Marco Chagas ficado em 8º (1:38:03). Nos 60 km, onde terminaram 301 atletas, o primeiro classificado foi o José Silva (1:58:28). As classificações do pelotão pedrAmarela foram as seguintes: JC – 21º (2:26:39); PM – 23º (2:26:54); RV – 59º (2:39:24); FG – 209º (3:35:26) e MR – 210º (3:35:33). Eu e o JC fizemos uma média de 25,9, o que para nós constitui um recorde.

Os banhos, no pavilhão municipal, foram excelentes. Instalações amplas, limpas, com pouca gente e com abundante água quente.

O almoço, num restaurante da zona, foi tipo casamento. Grandes mesas redondas, com os empregados a servirem-nos à mesa. Caldo verde, carne de porco com arroz e batatas, pudim ou arroz doce.

Concluindo, a organização esteve bem, mas o percurso é uma treta. Se não fosse encarada como um treino e não tivesse alguns objectivos beneméritos, esta participação seria de evitar.

 

PM

 


publicado por pedramarela às 21:36
link do post | comentar | favorito

Maratona Vencer o Cancro

 

Participámos hoje na 2ª edição da Maratona Vencer o Cancro realizada em Salvaterra de Magos pelo BTT Clube de Portugal.
Foi, para nós, uma forma de variar um pouco das voltas nos locais do costume e, ao mesmo tempo, de contribuir para uma boa causa. 2€ da taxa de cada inscrição destinaram-se a apoiar a luta contra esta terrível doença.

Havia dois percursos, um de 40 e outro de 60km, percorrendo os estradões cheios de areia da lezíria. Terreno pouco agradável para a prática do BTT....

 

 

As partidas para as duas provas foram dadas em separado (uma boa medida), e às 9h30 lá arrancámos os 5 pedrAs para o percurso de 60km.

 

Pedro Mateus, Rui Valente, Jorge Caiado, Miguel Romão e Fernando Godinho (fotográfo)

 

Os georaiders (PM,RV e JC) arrancaram na bisga como é costume. Eu e o Miguel fomos no nosso ritmo de betetístas de lazer, conversando, fazendo umas fotos e parando nos pontos de abastecimento oficial da organização.

 

 

 

 

Os abastecimentos foram "fraquinhos" e faltaram algumas coisas anunciadas pela organização. Também no que se refere à segurança há que salientar a falta dela nomeadamente no duplo atravessamento de uma linha de caminho de ferro e na falta de policiamento nos atravessamentos de estradas nacionais. Enfim, pormenores...

 

 

Para mim, particularmente, foi um especial prazer  passar junto ao Parque de Campismo do Escaroupim onde, há uns anos, passei belos momentos por alturas dos acampamentos aí organizados (com canoagem, btt e orientação) com os meus alunos do Monte Estoril.

 

No final da prova tomámos banho (quente...) no Pavilhão Desportivo Municipal e fomos almoçar a um restaurante local, contratado pela organização. Tudo bem, nesse campo!

 

(esta foi o Rui que tirou)

 

E pronto, mais uma manhã bem passada, na companhia de amigos e a fazer aquilo de que todos gostamos (uns mais depressa, outros mais devagar) : PEDALAR !

 

Boas pedaladas (dessas e das outras)!

FG

 


publicado por pedramarela às 19:48
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Janeiro de 2010

II BTT Lagoa do Calvo

 

Realizou-se na Lagoa do Calvo, no passado dia dezassete de Janeiro, a quarta maratona de Inverno a receber a nossa visita. Mais uma no “deserto” da margem sul, desta vez na freguesia do Poceirão. A organização esteve a cargo da Sociedade Recreativa e Instrutiva 1º de Maio.

Curiosamente, mais um evento rotulado como passeio, mas com registo de tempos de chegada. Até contrataram uma empresa para fazer as classificações. Pela nossa parte, tudo bem, já que o objectivo da nossa participação era fazer um treino mais puxadito e o registo de tempos sempre espicaça mais o andamento. Agora que é algo contraditório, lá isso é.

De qualquer maneira, o percurso estava marcado e o andamento era livre, pelo que cada um encarava a sua participação como bem entendia (passeio, treino, competição, competição consigo próprio, aquecimento para o almoço, etc.).

Aos três fregueses do costume (JC, PM e RV), juntou-se desta vez o PF que já andava afastado destas lides há algum tempo. No entanto, parece que não apreciou muito a experiência, já que desde então tem estado incomunicável. O RV, que só tem pedalado dentro de casa este inverno, aproveitou para sair do ginásio e respirar um pouco de ar puro.

 

RV, JC, PF e PM

 

A inscrição ficou em dezoito euros, na opção com almoço incluído.

O secretariado funcionou na sede da associação e foi rápido e atencioso. Como o número de inscrições era limitado a 250, também não se esperava nenhuma confusão. Para além de uma t-shirt, ainda nos deram um pequeno-almoço à base de chá e bolo.

A partida foi dada a horas, após breves discursos do Presidente da Associação e do Presidente da Junta, onde, entre outros assuntos, foram enaltecidas as qualidades dos vinhos da região.

 

Zona de Meta

 

Havia duas opções de percurso, uma com 40 km e outra com 70 (a nossa opção). Este, como previsto, era bastante rolante, tendo cerca de 286 metros de acumulado de subidas em 66,5 km.

Mas a altimetria como é sabido não diz tudo. E posso dizer que achei o percurso duríssimo. Primeiro, porque o piso estava muito pesado devido às chuvadas dos últimos meses. Havia inúmeras poças de água/lama, algumas com mais de vinte metros de extensão, que eram impossíveis de evitar e que me deram cabo da transmissão. Segundo, porque, mesmo sendo maioritariamente em estradão, o piso tinha muitas zonas de areia que dificultavam imenso a progressão. Terceiro, porque a organização escolheu algumas zonas que, apesar de bastante interessantes e sinuosas (parecia um circuito de XCO), com a lama se tornavam muito difíceis quer para o físico, quer para a mecânica. Lembro-me de uma rampa inclinadíssima e impossível de subir a pedalar, na qual, para cada dois passos a subir, deslizávamos um para baixo.

 

 

Outro problema foram as marcações. Algumas eram pouco visíveis e outras não existiam, segundo dizem, arrancadas por alguns “engraçadinhos”.

Pouco após a partida, o PF e o RV ficaram para trás e segui juntamente com o JC. Ainda nos enganámos duas vezes, por falhas de marcação. Seguimos sempre juntos até perto dos 50 km, onde o JC se lembrou de fazer uma das suas famosas acelerações e me deixou para trás.

Já perto da meta, uma situação recorrente. O JC reaparece vindo de trás. Tinha-se enganado no percurso mais uma vez. Ainda fez um sprint final, do qual me abstive.

Na parte final não encontrámos marcações e, como muitos outros participantes, entrámos na zona de meta no sentido contrário.

Terminei com um raio partido na roda da frente e com grandes limitações na transmissão (qualquer subida da treta tinha de ser feita a pé).

Estavam inscritos 270 atletas, dos quais 162 terminaram os 40 km e 58 os 70 km. O primeiro classificado dos 70 km fez 3:05:03. A prestação pedrAmarela foi a seguinte: JC 10º (3:19:33); PM 12º (3:20:03); RV 16º (3:33:40) e PF 33º (3:53:55).

 

Classificações do "Passeio"

 

Os banhos foram no Poceirão, num balneário pequeno e apinhado, para onde os participantes eram transportados num autocarro da organização.

O almoço decorreu na sede da Associação, sendo o menu composto por: sopa caramela, bufete de carnes frias, massada de carne, salada de frutas, bolo, água, sumos e “pomada” da região.

 

PM

 

tags:

publicado por pedramarela às 18:03
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2010

Sexta em Sintra

 

Hoje de manhã foi dia de voltinha em Sintra. FG e MR. Airborne Lancaster e Ibis Mojo. Começamos cerca das 9:30 na Lagoa Azul, que está a rebentar pelas costuras, cheíssima de água e lindíssima com o seu perímetro enfeitado com o amarelo florido das acácias (são uma praga, mas nesta altura do ano são bonitas...). Passámos depois pela Barragem da Ribeira da Mula, que também está com um volume de água como há uns anos não víamos.Tem realmente chovido bastante nos últimos tempos...

 

 

 

Passada a Barragem, subimos em direcção ao cruzamento dos Capuchos, pelo caminho da margem esquerda da ribeira (lado direito para quem sobe) que está num estado lastimável, como aliás muitos outros trilhos da serra, devido às árvores caídas e à erosão provocada pelos rodados dos veículos que vêm buscar a muita madeira recentemente cortada. Muito mau, mesmo.... O famoso Trilho das Pontes já não existe, toda a vegetação do vale que acompanha a Ribeira da Mula foi cortada. Lá se foi um dos ex-libris do btt sintrense.

Chegados aos Capuchos resolvemos descer até Monserrate, para ver o estado em que se encontram os lagos. Já quase no final da descida encontrámos o resultado do que deve ser alguma paranóia de um proprietário que bloqueou o caminho com uns valentes pedregulhos. Se algum dia precisar que os bombeiros ali passem, queremos ver o que vai acontecer !!!

 

 

Grande surpresa na chegada aos lagos, pois o que fica mais em baixo está completamente vazio, provavelmente a ser alvo de reparações. Lá se foi a ideia de fotografar a espectacular queda de água que lá costuma formar-se. De qualquer modo, a zona é bonita e vale sempre a pena ir até lá abaixo.

 

 

 

Quem muito desce, muito terá que subir. E asssim foi, lá penámos por ali acima até novamente à zona da Tapada do Saldanha, passando por umas conhecidas ruínas, onde se encontram evidências da passagem de alguma fauna esquisita que infelizmente continua a poluir a serra ( são as raves, pois...)

 

 

A seguir a esta zona, e devido às habituais distracções provocadas pela conversa, entrámos  por engano num trilho onde há muito tempo não pedalamos e andámos um bocado "aos papéis" devido ao grande número de árvores caídas a impedirem a passagem nos trilhos. Depois de algum trabalho de desbaste de mata e ramos, lá nos conseguimos aproximar do nosso objectivo seguinte : a subida do Monge, clássica de todas as voltas da pedrAmarela em Sintra.

 

Daí para a frente foi só curtir os single tracks magníficos que existem na zona da Peninha, aproveitando para fazer umas fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E assim se fizeram cerca de 30km de excelente BTT, sem a confusão dos fins de semana e com a fruição da beleza silenciosa dos trilhos. Na parte final ainda apanhámos um pouco de chuva. O regresso foi feito pela perigosa e escorregadia descida na zona da Pedra Branca.

 

Domingo, lá estaremos na Maratona contra o Cancro, em Salvaterra de Magos.

 

Boas pedaladas (dessas e das outras)!

FG

 

tags:

publicado por pedramarela às 21:30
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Janeiro de 2010

XXI Grande Prémio Fim da Europa

 

Porque alguns de nós (poucos) também gostam de praticar outras actividades físicas para além do BTT, eu e o JC fomos correr, pela segunda vez, o Grande Prémio Fim da Europa.

É uma corrida com cerca de 17 km, muito bem organizada pela C.M. de Sintra, com partida na vila de Sintra e final no Cabo da Roca (ponto mais ocidental da Europa).

Apesar de ter chovido de manhã, as condições meteorológicas eram bem mais favoráveis que as da edição de 2009, onde fazia um frio de rachar.

Há quem diga que dificilmente haverá prova mais bonita. Não sei se há, mas que é das mais bonitas, lá isso é.

Começamos por subir a rampa da pena (cerca de 4 km), seguindo depois até aos Capuchos, fazendo uma segunda subida perto do quilómetro dez e terminando com um verdadeiro massacre para as pernas, que constituem os cerca de 6 km de descida até ao cabo. Na parte final somos ainda brindados com o fortíssimo vento contra que sopra tradicionalmente por aquelas bandas.

A chegada é feita dentro de uma enorme tenda, onde o pessoal pode resguardar-se da ventania e comer o lanchinho servido pela organização.

Para “desmoer” fizemos ainda cerca de 2 km de corridinha ligeira, a subir até ao carro.

A inscrição custou quatro euros e deu direito a frontal personalizado, t-shirt, medalha, dois abastecimentos de água, lanche e transporte de volta a Sintra. O registo de tempos é feito com recurso a chips.

Terminaram a prova 1453 atletas. O JC, que até estava adoentado, ficou em 80º (01:07:46) e eu em 314º (01:16:45).

A cambada de coirões que não foi hoje pedalar com medo da chuva, perdeu uma bela oportunidade de participar numa actividade alternativa bastante agradável. E afinal a corrida constitui um excelente treino e complemento ao BTT. Além disso, pode ser feita em qualquer lugar, com quaisquer condições meteorológicas e, contrariamente aos ginásios, é de borla.

 

PM

 


publicado por pedramarela às 21:50
link do post | comentar | favorito
Domingo, 17 de Janeiro de 2010

Finalmente um domingo sem chuva...

esq/dir : Jepas, R. Algarvio, Miguel R., Fernando G., R. Simão, Marco M. e Rui

 

Neste ano de recordes de precipitação, lá conseguimos fazer uma voltinha em Sintra sem chuva. Já não era sem tempo.

O percurso foi excelente com passagem em muitos singles e a descida ao Abano. Os estado dos trilhos está, de uma maneira geral, bastante degradado devido à água, à queda de árvores e ao corte de outras, cujos "cortadores" deixam um restolho gigantesco nos caminhos, para além da erosão provocada pelos pneus.

Mesmo assim o passeio foi espectacular, com bom espírito de camaradagem e andamento descontraído. Três pequenas quedas hilariantes e felizmente sem consequências, uma delas bastante espectacular, marcaram também o dia....

 

Por falar em erosão: logo no início da volta, na conhecida "subida dos jipes" vimos muitas marcas de rodados de carro e um lamaçal gigantesco no caminho. Tal deveu-se à passagem da enorme quantidade de automóveis que encontraríamos mais à frente, numa "rave".... Como é possível que deixem fazer estas coisa num Parque Natural ? Anda alguém a receber por baixo da mesa? Poluição, erosão, barulho, para já não falar dos "produtos" pouco ortodoxos (chamemos-lhe assim...) que aquela malta ali consome. Ainda por cima, há vários anos que tal se verifica. Até quando? Até um dia em que um dos muitos alcoolizados que por lá costumamos encontrar pegue fogo à Serra?

 

Uma última palavra de agradecimento ao companheiro que nos tirou a foto na descida para o Abano. Até à próxima!

 

Boas pedaladas (dessas e das outras) !

FG

tags:

publicado por pedramarela às 15:55
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2010

Reconhecimento do VII Encontro Nacional de SS

 Foto José Carlos Martins

No Domingo passado, a convite do Zé Carlos, fui dar o meu contributo para os ajustes finais do percurso do VII Encontro Nacional de SS, agendado para o próximo dia nove de Janeiro. Vieram também o PF (não só teve a lata de ir de MS, como ainda voltou mais cedo para casa) e o Carlos Borrego (finalmente conheci a sua Unit). O RA também era para ter aparecido, mas ficou em casa (provavelmente com receio de enferrujar a sua On-One).

E realmente o dia amanheceu chuvoso. Quando chegámos ao parque de estacionamento da barragem da Ribeira da Mula, chovia torrencialmente.

Ainda ficámos mais de meia hora a conferenciar dentro dos carros, até que finalmente parou de chover e resolvemos arriscar ir pedalar. E ainda bem que o fizemos, pois não só nunca mais choveu, como esteve uma temperatura óptima. Alguns trilhos é que ficaram literalmente debaixo de água. Não me lembro de ter pedalado em Sintra com tanta água e lama. Os meus v-brakes foram esmifrados até à última.

Mas foi uma excelente manhã de BTT. Sintra no seu melhor, com aquele ambiente húmido e misterioso que a caracteriza. O percurso é que foi um bocadito para o duro, mas também o objectivo era mesmo esse. Se queriam facilidades, organizassem o encontro noutro local que não este.

Quem quiser experimentar o percurso final, é aparecer no próximo Sábado na Lagoa Azul. De SS, claro está.

 

PM

 

tags: ,

publicado por pedramarela às 22:46
link do post | comentar | favorito

Fim de Ano em Monsanto

Vídeo de um passeio na tarde do dia 31/12/09 no Parque Florestal de Monsanto(Lx).

 

MR & NF


publicado por pedramarela às 11:54
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Janeiro de 2010

Cuidado 2010, Aí Vou Eu

"Times boy and bicycle." 1921. National Photo Co. Collection. Winner of a Mead Ranger bike by virtue of selling 30 newspaper subscriptions. The Ranger contest was a promotion of various papers from about 1917 to 1923. In www.shorpy.com

Já que alguém tinha de abrir o ano de 2010 a pedalar, iniciando assim as hostilidades bttísticas, eu e o PF resolvemos assumir essa “ingrata” tarefa, cumprindo mais uma voltinha single-speed no Estádio. Foram cerca de 50 km feitos num ritmo calmo e descontraído (mas determinado e sem paragens), que tantos adeptos tem granjeado por estas bandas.

Registe-se que no caso do PF, a tarefa foi mesmo algo ingrata, já que, para além de ter levado o carreto de 16 dentes, continua a pedalar com aquela”bem-dita” corrente de half-links, que tantas alegrias lhe tem dado e que, a cada subida mais puxadota, insistia em emitir ruídos arrepiantes e em pular. O raio da corrente tem tanta folga que já deve dar para montar um carreto de 20.

Mas o que interessa, é que fomos andar de BTT.

Fazemos votos de que passeios destes se possam repetir muitas vezes ao longo de 2010.

 

PM

 

p.s. Não sei se repararam, mas a bicicleta da simpática criancinha da foto, é uma SS. E com carreto fixo.

 

 

tags:

publicado por pedramarela às 19:50
link do post | comentar | favorito

.pedrAmarela BTT


. sobre nós

. seguir perfil

. 1 seguidor

.pesquisar

 

.Maio 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Novas Camisolas num dia d...

. 25 de Abril à Chuva

. 10.000 km em Single-Speed...

. SSintra, 26-02-2012

. Sintra - 17-02-2012

. Arrábida - 10-02-2012

. Moinhos da Raimonda - 05-...

. Arruda/Montejunto - 26-01...

. Malveira/Arruda/Sobral - ...

. Malveira/Santa Cruz - 13-...

.arquivos

. Maio 2012

. Abril 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Junho 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds